quinta-feira, 14 de maio de 2009

Anatomia de um desenho pt 2

A segunda parte começa com a digitalização em RGB ou Greyscale a 600 dpi's. Os prós digitalizam a 1200, para conservar todo o detalhe (com scanners de qualidade, que não é caso). Depois converte-se o desenho em bitmap (50% treshold) para eliminar os meios-tons. Depois converte-se novamente em Greyscale e RGB (ou CMYK se for para imprimir). No layer mais acima, tenho o desenho a preto (apago o branco) em Multiply (a somar às cores que ficarão por baixo). Depois o layer das sombras (Multiply 70%) . O layer das sombras depende das cores que usar, pode ficar Hard light outra variante e com percentagens diferentes (é experimentar e ver no fim o que fica melhor). O tom da sombra também pode ser outro (geralmente uso o roxo/violeta). Depois pinto as cores lisas, no background. Primeiro procuro pintar todos os objectos sem dar grande importância à cor. Só mais tarde ajusto as cores e os tons até ficar satisfeito com o efeito geral. Tanto as cores como as sombras são muito simples. Prefiro usar uma paleta limitada, mas coerente. Tenho imensa dificuldade em perceber a volumetria das figuras e a projecção das sombras, por isso uso a máxima de alguém "keep it simple". Um destes dias encontrei, algures na net, balões de BD em EPS (que se pode alterar o tamanho sem perder qualidade). No Google encontrei a letra da música dos Stealers Wheel. Quando uso diálogos dos filme recorro ao internet movie script database (IMSDb). Com a ilustração finalizada, converto tudo num só layer e reduzo para 300 dpi's (resolução de impressão) ou para 72 (se for para o ecrã).

Sem comentários: